Júlia Silva

Adaptabilidade e flexibilidade no trabalho: saiba como desenvolver

Se tem algo que aprendemos, principalmente nos últimos tempos, é que o mundo vive em constante mudança. E ter habilidades como a adaptabilidade e a flexibilidade bem desenvolvidas pode deixar a sua vida muito mais leve, além de facilitar o caminho para os seus objetivos.

Afinal, para não só “sobreviver”, mas também evoluir nos diversos ambientes onde estamos inseridos, incluindo o meio profissional, é necessário aprender a cultivar essas habilidades. 

Mas, afinal, o que esses termos realmente significam e como podemos desenvolvê-los? Vamos entender juntos nesse conteúdo!

Qual a diferença entre flexibilidade e adaptabilidade?

Em poucas palavras, a flexibilidade é a capacidade de se adequar a diferentes situações de forma rápida. Já a adaptabilidade significa não apenas lidar com essas mudanças, mas aprender com elas e buscar soluções criativas para os desafios.

Essa diferença realmente pode ser sutil, mas é importantíssima no contexto profissional. Não é atoa que, segundo a Forbes, a capacidade de adaptação e a mentalidade flexível compõem as 16 habilidades essenciais para o futuro do trabalho.

Isso porque, com flexibilidade, você se ajusta ao seu meio, mantendo a qualidade do trabalho, mesmo diante de tarefas e ambientes de trabalho desafiadores.

Por outro lado, a adaptabilidade te ajuda a se adequar à nova realidade, ensina por meio das experiências que já passaram e permite encontrar novas formas de resolver problemas.

O que é ser flexível e adaptável?

De forma simples, ser flexível é estar aberto a novas ideias, colaborar com colegas, se adaptar a horários, tarefas e demandas. Já ser adaptável significa ser proativo, resiliente, capaz de aprender e evoluir. O que é uma pessoa adaptável no trabalho?

Na prática, um profissional adaptável é aquele que tem:

  • Mentalidade aberta para aprender;
  • Está disposto a sair da zona de conforto para enfrentar o dia a dia;
  • É um solucionador de problemas;
  • Tem proatividade com as atividades do dia a dia;
  • Rapidamente se familiariza com novas tecnologias ou processos.

E o que é a flexibilidade?

Já um colaborador flexível é aquele capaz de:

  • Ajustar suas prioridades;
  • Trabalhar em diferentes ambientes e com equipes diversas;
  • Assumir responsabilidades extras quando necessário;
  • Mudar de foco para lidar com emergências.

Como desenvolver adaptabilidade e flexibilidade?

Saber ser flexível e adaptável pode ser um desafio, mas aqui estão algumas estratégias para desenvolver essas habilidades:

  1. Esteja disposto a aceitar mudanças e encará-las como oportunidades de crescimento;
  2. Mantenha uma atitude mental positiva e flexível diante de novas situações e desafios;
  3. Aprenda a lidar com fracassos e imprevistos de forma resiliente;
  4. Busque novas experiências, projetos e ambientes de trabalho para se tornar mais adaptável a diferentes contextos;
  5. Aprenda a expressar suas ideias de forma clara e assertiva;
  6. Desenvolva habilidades de resolução de problemas; 
  7. Pratique encontrar soluções criativas e inovadoras para os desafios que surgirem;
  8. Busque sempre aprender coisas novas e habilidades relevantes para o seu campo de atuação;
  9. Tente combinar outras soft skills como inteligência emocional, comunicação assertiva, pensamento crítico, liderança, etc;
  10. Construa bons relacionamentos com colegas de trabalho e superiores;
  11. Desenvolva seu senso de colaboração e trabalho em equipe para se adaptar a outras dinâmicas.

Por que a adaptabilidade é tão importante para solucionar problemas?

Ser um solucionador de problemas requer mais do que identificar questões e encontrar soluções para elas. 

Essa pessoa, geralmente, também tem a capacidade de se adaptar às mudanças, demandas e necessidades da vida.

Veja agora porque a adaptabilidade é indispensável para solucionar problemas no trabalho:

  • Flexibilidade diante dos problemas: é comum que imprevistos surjam de maneira inesperada e que as soluções pensadas anteriormente não funcionem mais. É quando a adaptabilidade permite ao colaborador ajustar sua rota e encontrar novas formas de resolver as questões;
  • Capacidade de lidar com novos desafios: os problemas complexos muitas vezes exigem abordagens inovadoras e criativas. Então, a adaptabilidade permite enxergar diferentes visões, experimentar novos caminhos e encontrar outras maneiras de lidar com os desafios;
  • Resposta rápida a mudanças: um solucionador de problemas adaptável é capaz de alterar suas estratégias e planos de acordo com a situação atual. Isso garante que suas soluções permaneçam relevantes e acompanhem as mudanças ao longo do tempo;
  • Aprendizado contínuo: esse tipo de profissional está sempre atento a novas ideias, conhecimentos, feedbacks e oportunidades de desenvolvimento, o que lhe permite expandir seu repertório de habilidades e permanecer relevante no mercado;
  • Resolução de problemas em equipe: ao desenvolver a adaptabilidade, o colaborador consegue se integrar facilmente a outras equipes, adequar-se a diversas formas de trabalho e contribuir para alcançar soluções coletivas.

Como o RH pode trabalhar essas soft skills nas suas estratégias?

O setor de RH é responsável por desenvolver, reconhecer e promover soft skills, entre as quais estão a adaptabilidade e a flexibilidade. Pode fazer isso através de:

  1. Programas de treinamento e desenvolvimento;
  2. Feedback e avaliação de desempenho;
  3. Criação de uma cultura organizacional adaptável e flexível;
  4. Incorporação de soft skills em processos de recrutamento e seleção;
  5. Políticas internas e benefícios corporativos.

Pode até parecer complexo no início, mas, fique tranquilo porque com a SalaryFits tudo fica Super Fácil! Explicaremos cada umas dessas iniciativas em detalhes:

  1. Programas de treinamento e desenvolvimento

Como você já deve saber, a adaptação e a flexibilidade são habilidades treináveis! Então, o RH pode criar e implementar programas de treinamento que visem desenvolvê-las. 

Em termos práticos, podem incluir workshops, palestras, cursos online e outras atividades que incentivem os profissionais a aumentar sua capacidade para lidar com as situações que virão.

Hoje em dia, existem muitos recursos para realizar treinamentos, como plataformas AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) e o uso de gamificação, que aumentam o engajamento para realizar as tarefas propostas.

👉 Baixe agora: eBook gratuito sobre Gamificação no RH

Em outras palavras, ao promover o aprendizado contínuo — ou lifelong learningde forma didática e acessível, assuntos importantes, como educação financeira, processos internos, gestão do tempo, podem abordar as soft skills necessárias para sua realização, entre as quais estão a adaptabilidade e a flexibilidade.

  1. Feedback e avaliação de desempenho

Estimular um ambiente de troca de feedbacks entre os colaboradores e líderes é a melhor forma de compreender quais são as necessidades da equipe para, então, desenvolver as habilidades que compõem as principais lacunas dos times.

Aqui, o RH pode incorporar avaliações de desempenho — como individual, por equipe, 360 graus, por metas, por competências — que incluam a análise das soft skills dos colaboradores. 

Após isso, considere fornecer um bom retorno — de preferência durante a reunião 1:1 — sobre como eles podem melhorar nessas áreas para incentivar o desenvolvimento contínuo dessas habilidades no dia a dia.

Baixe gratuitamente: Guia Completo sobre Avaliação de Desempenho

  1. Criação de uma cultura organizacional flexível e adaptável

Uma das melhores formas de ter profissionais engajados, colaborativos, e, claro, flexíveis e adaptáveis, é através de uma cultura organizacional fortalecida.

Quando essa cultura valoriza tais habilidades, as equipes criam seu senso de propósito, o ambiente de trabalho fica mais saudável e o turnover é reduzido pelo engajamento dos colaboradores.

E você, profissional de Recursos Humanos, pode fazer toda a diferença nesse processo! Isso é possível com o incentivo à inovação nas atividades, reconhecimento de comportamentos proativos e construção de um ambiente de trabalho que gere o senso de pertencimento.

  1. Incorporação de soft skills em processos de recrutamento e seleção

Ao recrutar novos talentos, o RH já pode priorizar candidatos que demonstrem as habilidades necessárias ao trabalho, como adaptabilidade e flexibilidade. 

Isso pode ser feito através de:

  • Inclusão de perguntas comportamentais em entrevistas;
  • Análise de experiências passadas;
  • Avaliação de características pessoais;
  • Testes com situações problema para resolver.
  1. Políticas internas e benefícios corporativos

Outra estratégia para trazer a mentalidade flexível e adaptável para dentro da organização é através de políticas internas e pacotes de benefícios. 

Isso quer dizer que oferecer subsídios, de acordo com as necessidades dos colaboradores, podem melhorar seu bem-estar no trabalho ao mesmo tempo em que dão a oportunidade de colocar a adaptação e a flexibilidade em prática diariamente.

Veja algumas alternativas:

  • Políticas de trabalho remoto;
  • Horários flexíveis;
  • Opções de férias personalizadas;
  • Oferta de benefícios corporativos flexíveis;
  • Acesso ao crédito consignado.

👉 Dica: Conheça o portal multibenefícios da SalaryFits!

Conclusão

Se você chegou até aqui, viu que desenvolver adaptabilidade e flexibilidade no trabalho não é uma tarefa simples e rápida, mas sim uma construção diária, que necessita de boas estratégias por parte do RH. 

Para isso, é necessário investir em capacitações, sistemas de avaliação, ferramentas de cultura organizacional, revisar regras de processos seletivos, benefícios e também políticas internas!

Por isso, que tal começar hoje mesmo? Peça uma demonstração gratuita do portal multibenefícios da SalaryFits, em que o colaborador pode escolher, de forma flexível, os benefícios mais relevantes para o seu contexto!